BLOG

A transição de um ciclo escolar para outro sempre traz grandes mudanças e desafios para a rotina dos educandos: novos professores, novos aprendizados, novas descobertas e outras responsabilidades. A saída do Ensino Fundamental – do 1º ano até o 9º ano – e o ingresso no Ensino Médio, que encerra a fase final da educação básica no Brasil, marca o vislumbre da vida depois da escola e do início da transição entre as fases da adolescência e a sua trajetória adulta. Após a 3ª série – ou mesmo antes –, será preciso decidir que caminho seguir. 

A primeira infância é um estágio crucial no desenvolvimento do comportamento e da consciência social e ambiental de uma pessoa. Ao pensarmos na criança que ingressa no Ensino Infantil, o ambiente escolar torna-se também um grande mediador na construção de conhecimentos e valores que permanecerão com ela durante toda a vida adulta. É por isso que é tão importante despertar o interesse em cuidar e proteger o meio ambiente nessa fase da vida contribuindo, assim, para a formação de uma “criança ecológica”.

A crescente e rápida evolução e utilização de novas tecnologias e descobertas científicas vem afetando nossa rotina: a maneira com a qual nos relacionamos e nosso modo de vida. Com a nova realidade da pandemia do COVID-19, nos tornamos ainda mais dependentes da tecnologia e passamos a valorizar ainda mais a ciência. Se este ano aprendemos algo, é que é preciso aprofundar no Brasil a cultura científica. E isso só pode ser feito com sucesso se o fizermos por meio da educação escolar.

De acordo com Ricardo Ribas, gerente executivo da empresa de recrutamento Page Personell, apenas 4% dos profissionais no mercado têm domínio da língua inglesa, ou seja, são verdadeiramente proficientes. E não é preciso ser de uma empresa de recrutamento para saber que aqueles que falam Inglês fluentemente têm vantagem de contratação sobre os que não falam e ganham mais.

O Colégio BIS oferece uma educação bilíngue dentro de uma proposta sociointeracionista, tendo como objetivo colocar o educando como agente protagonista de sua aprendizagem.

Deve-se estimular no aluno a busca da construção de seu conhecimento, propiciando a criticidade e reflexão. A autonomia é um dos pilares da educação integral e é por meio dela que se desenvolvem todas as potencialidades dos educandos, garantindo-se sua independência dentro do processo de ensino-aprendizagem.