Onde tudo começa? Como o bilinguismo na primeira infância abre portas para a cidadania global

A importância da língua inglesa hoje já não é mais novidade pra ninguém. O fato de vivermos em um mundo globalizado e fortemente conectado faz com que a capacidade de comunicar-se em diferentes idiomas seja algo cada vez mais valorizado. O Inglês, em particular, tornou-se fundamental como padrão internacional de comunicação. Atualmente, ser fluente em Inglês não é apenas um diferencial, mas sim um requisito. 

 

Da mesma forma, a compreensão de que quanto antes se inicia o contato com uma língua, mais fácil se torna o seu aprendizado é algo bastante consensual entre os especialistas. Um amplo conjunto de estudos mostra, inclusive, que crianças bilíngues desenvolvem melhor suas capacidades cognitivas e comunicativas, para além do simples domínio das línguas. 

 

Isso porque, quanto mais cedo se aprende um idioma, mais efetiva será sua aquisição, não apenas em termos de compreensão e de naturalização das estruturas gramaticais, mas principalmente em relação à construção de sentido e significado para o seu uso. Mais do que internalizar regras, é preciso apropriar-se verdadeiramente da língua.

 

Mas, para que isso ocorra, deve haver estímulo. São as oportunidades significativas que uma criança tem com um idioma que fazem com que sua aprendizagem seja rica e marcante. Por essa razão, o Brazilian International School aposta na educação bilíngue desde o início da vida escolar, de modo articulado ao processo de desenvolvimento infantil.

 

Ao longo de toda educação básica, os alunos e alunas experimentam a língua inglesa em diferentes contextos, de modo que se familiarizam com a presença do idioma em qualquer tipo de situação — e não apenas nas chamadas “aulas de Inglês”. Ao invés de promover o aprendizado do Inglês, o ensino bilíngue educa por meio dele, do mesmo modo que por meio do Português.

 

Esse bilinguismo natural é estimulado desde a Educação Infantil, quando as crianças são convidadas a usar o Inglês no dia a dia para se comunicar, interagir, brincar, aprender e, consequentemente, pensar. Ou seja, elas aprendem o idioma ao mesmo tempo que descobrem e aprendem sobre o mundo à sua volta. A língua torna-se, então, um instrumento das aprendizagens e não apenas um conteúdo de uma disciplina específica.

 

Assim, o ensino da língua inglesa no Colégio se dá a partir da valorização do interesse dos pequenos por experimentar as linguagens e suas formas expressivas, marca própria da primeira infância. Ao serem estimulados a pensar em Inglês, bem como em Português, as crianças buscam espontaneamente conhecer as possibilidades comunicativas existentes em seu entorno, ampliando seus vocabulários e ganhando repertório.

 

E é aqui que ensino bilíngue enquanto proposta pedagógica se mostra ainda mais potente: ele permite a construção de uma valiosa bagagem cultural, ancorada na demanda por uma sociedade que, além de conectada e integrada, seja também mais ética e justa. Ao vivenciarem diferentes experiências pedagógicas nas duas línguas, os alunos e alunas não só adquirem fluência em ambos os idiomas, como são introduzidos às duas culturas. 

 

Essa oportunidade permite que crianças bilíngues tenham maior capacidade de reconhecer que as pessoas podem perceber o mundo por perspectivas diferentes, devido ao contato com as distintas lógicas de pensamento e à prática constante de escolher a língua a ser mobilizada de acordo com a situação.

 

Neste sentido, o Colégio BIS tem como um de seus principais objetivos oferecer uma formação cidadã ampla e global, que promova o respeito à diversidade social e cultural e permita que os estudantes sejam capazes de reconhecer os contextos em que estão inseridos, bem como agir diante deles, gerando impactos positivos. 

 

Sendo assim, além de aumentar as chances de êxito profissional e proporcionar maior facilidade para o aprendizado de uma terceira ou quarta língua, o bilinguismo torna as crianças e os jovens mais aptos a se relacionar com outros povos e culturas, exercendo a capacidade de enxergar as coisas sob outros pontos de vista.

 

De certo, a escola não é o único lugar onde é possível desenvolver essa habilidade. Entretanto, é na escola que esse tipo de experiência pode ser trabalhada com reflexividade, pois a preparação profissional e o olhar atento dos educadores e educadoras permite que as vivências sejam planejadas e ganhem intencionalidade.

 

Mas como o Colégio promove, de fato, este tipo de aprendizagem? Como os professores e professoras transformam a educação bilíngue em uma oportunidade para conhecer, debater e experimentar a diversidade sociocultural presente no mundo? 

 

Este será o tema da conversa que teremos com a especialista em ensino bilíngue Antonieta Megale, no dia 14 de agosto, às 11h. O encontro faz parte do evento “Onde tudo começa? – A escola e a família no centro do desenvolvimento das crianças”, organizado pela Bahema Educação e pelo Centro de Formação da Vila, em que teremos também a oportunidade de ouvir a experiência de outras escolas do grupo. 

 

Confira a programação completa e inscreva-se!